Pós-mortein

A morte é sempre um assunto muito delicado. É algo que nos é mistificado assim que começamos a entender o complexo funcionamento do mundo. Ela nos assusta, atormenta, e nos persegue até termos a exata noção de que será inevitável confrontá-la.

Ao sofrermos uma perda, aceitamos a finitude, com a certeza que virá a acontecer outras e outras vezes. Avós, tios, pais, irmãos, amigos, companheiros e filhos, por mais terrível que seja imaginar o momento, ele vai chegar. Entre condolências, eufemismos, lágrimas e desmaios, o roteiro fúnebre se desenvolve de acordo com a cultura do defunto.

Discursos, tiros, cortejos e às vezes canções, tudo é válido para que o momento da despedida seja o menos torturante possível. Palavras, abraços, apertos de mão ou simples olhares, a emoção e a tentativa de confortar os desconfortados se tornam um filme preto e branco, mudo e triste.

Velhos, adultos, jovens ou crianças, a morte não escolhe e nem tem escolha. Ainda que revolte ver uma criança ou um jovem, com uma vida inteira pela frente , inerte debaixo de uma massa cinzenta de concreto, às vezes, e não poucas, acontece.

Mausoléu, jazigo, tumulo ou cova, ao apagar das luzes alguém os habitará. E não importa a classe, cor, credo, todos serão reduzidos ao mesmo denominador comum em uma simples racionalização. Da putrefação ao esqueleto. Do esqueleto ao pó. Do pó ao nada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Existe razão

A matemática do "eu te amo"

O feliz aniversário do Pato-rouco