Antissocial

Depois de alguns segundos ele saiu do carro. Jamais pensou que veria aquelas pessoas novamente. Logo na portaria do salão de festas que correspondia ao convite. Suava como nunca apertado em um terno que odiava usar, e um sapato cor-de-burro-quando-foge, que só havia usado na formatura, 10 anos atrás. Era dezembro e o calor, que odiava mortalmente ainda mais depois que fora morar na França, parecia milhares de vezes maior do que se lembrava. Assim que acabou de adentrar à festa, decidiu ficar na penumbra por alguns momentos para analisar sua antiga turma.

Imaginou tudo o que poderia ter acontecido com seus antigos colegas. Sua visão era perfeita. As meninas que gostavam de aparecer continuavam a tentar ser o centro das atenções. Aquelas que se achavam superiores, as metidas a besta, se isolavam e se contorciam em gargalhadas esteriotipadas. Os rapazes, aqueles playboizinhos ainda conservavam sua imbecilidade, atestada pelo modo como dançavam. Aqueles que eram mais próximos, e que de certa forma mantinha amizade, pareciam diferentes em corpo e alma. Algumas pessoas ele não conhecia. Seriam namorados? Esposas? Ou aqueles que não lembrava? Deixou pra lá.

Pegou uma taça de uma bebida estranha que o garçom levava para a pista de dança. Ficou imaginando o que aconteceria quando sua presença fosse percebida. A maioria iriam puxar conversa e perguntar como era morar no exterior, ou tentariam trocar suas experiências morando fora, já que não era o único. Alguns pediriam um contato na Tv onde trabalhava. Solicitariam sua amizade no Faceboogle (a fusão do Facebook com o Google). Deu um sorriso de canto de boca, virou as costas e foi embora.

Chegando no hotel onde se hospedara, sua esposa estranhou a hora que voltou. Entretanto não disse nada. Sabia que não seria desta vez que deixaria de ser antissocial. Ele se sentou em frente ao seu notebook e postou as fotos que havia tirado, de seu refúgio, com a simples intenção de não deixar seus ex-colegas esquecerem de quem ele era. Digitou um único comentário:
QUEM SABE NA DE 20 ANOS.
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

De Brokeback Mountain à Coxinha: Histórias de Meu Irmão

Existe razão

Entrevista com o mendigo