A primeira vez ninguém esquece


Ah! A primeira vez. Pode parecer clichê, frase feita que sai naturalmente, mas mesmo piegas, é a mais pura verdade. Dia desses estava me lembrando da minha, há 9 anos atrás. Sim, já estava bem atrasado em relação a alguns colegas. Inventava que já havia acontecido, que era maravilhoso, coisa e tal. A verdade é que só ficava na imaginação. Quebrava o galho com a TV, me ajudou muitas vezes tarde da noite, supria minha necessidade. Mas a verdade é que ainda não tinha chegado lá, e morria de inveja de meus colegas contando de suas experiências maravilhosas. Torcia o nariz, ficava aborrecido, desdenhando e mentindo. Mas por dentro me corroia de vontade. Mas me entendam, na roça não era fácil conseguir uma oportunidade, lá sequer tinha lugar para conseguir o que eu queria.

Eis que surge a grande oportunidade. Estava no ensino médio, e lá me sentia o tal. Mesmo sem nunca ter experimentado, a TV já me dava conteúdo para discutir sobre o assunto, até com certa autoridade. E foi em uma excursão para Juiz de Fora organizada por um de meus professores foi que surgiu minha grande oportunidade. Era o dia, iria ser a primeira vez, ninguém iria atrapalhar, já que estava marcado meu encontro com ela. E olha que estava na presença de gente que não era de meu convívio, uma turma diferente da minha, mas não poderia perder a oportunidade e encarei mesmo assim. Quando cheguei no lugar que iria me encontrar com ela senti um arrepio que me subiu pela espinha e pousou sobre meus olhos. Sentado, esperando o encontro que mudaria minha vida não consegui seque fazer um lanche, coisa que sempre faço atualmente.

Eis que ela apareceu, iluminou meus olhos ao ponto de escorrer uma solitária lágrima no canto dos olhos, ou seria emoção mesmo? Só sei que fiquei o mais perto possível dela. Queria vê-la, ouvi-la, sentir aquela experiência nova como se fosse a última. Passado o nervosismo inicial, comecei a apreciá-la de forma mais segura, crítica. Percebi que tudo o que já havia aprendido na TV naquele momento já estava me ajudando a compreender tudo o que se passava. Seu nome era Olga, e para te falar a verdade, não foi lá grande coisa, mas não era de se jogar fora. Ela vai estar sempre presente nas minhas lembranças.


Sim, por que a primeira vez ninguém esquece, e quando saí do cinema aquele dia, tinha a certeza que não seria a última vez que a sétima arte estaria presente em minha vida através daquela tela gigantesca. Foi paixão à primeira vista e que jamais esquecerei, até o último dia da minha vida. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

De Brokeback Mountain à Coxinha: Histórias de Meu Irmão

Existe razão

Entrevista com o mendigo