domingo, 8 de março de 2015

Às mulheres de minha vida


Sabe, quando era criança, sempre me perguntei por qual motivo deveria existir o Dia Internacional da Mulher. Ficava indignado mesmo, ouvia minha mãe e minha irmã se sentirem especiais naquele dia e me surpreendia com uma inveja tola. Com o passar dos anos, cresci lendo, vendo e sentindo o motivo da importância de tal dia. Hoje, relembrando minha trajetória e minhas vitórias, percebo que todas estão ligadas às mulheres de minha vida, aquelas que com uma palavra ou gesto conseguiram me direcionar ao caminho de homem feliz que sigo atualmente. Por tudo isso agradeço:

À minha mãe, Dona Neuza, mulher que não aparenta, mas é de uma força extraordinária, que soube vencer todas adversidades e fazer com que eu me tornasse uma pessoa respeitável e respeitadora. 

À minha irmã Flavia, que foi minha primeira grande amiga, minha primeira professora, e que sempre esteve do meu lado quando estive certo e errado.

À minha professora do pré-escolar, Jane, sim, pois com sua bondade e paciência me despertou uma estranha vontade de aprender sempre mais e mais. 

À minha avó Maria, a única que conheci e que sempre me tratou com amor e carinho, além de ter me dado um pai maravilhoso.

À minhas primas Waleska e Wanessa, que foram minhas companheiras de travessuras nos tempos de criança, com adorava as férias em que iam para nossa avó.

Às minhas tias Dete, Maria e Terezinha, que nunca me negaram carinho.

À minhas "parentas" emprestadas, Daniele, Adriana, Edina, Vânia, que jamais negaram suas casas para que eu pudesse passar horas com um bom, ou nem tanto, papo.

À minha madrinha emprestada, Dorvalina, que me permitiu passar horas, dias e anos inesquecíveis em sua casa. Ainda tinha de ter paciência com a bagunça que ajudava seus filhos fazer.

À minha companheira de trabalho, Maria das Graças, que me ajudou a enfrentar em momentos difíceis em um emprego estressante.

À minhas professoras da faculdade Ana Marta Ladeira e Christiane Milagres, que foram essenciais para que me tornasse um jornalista.

À minhas "avós" Almerinda e Tereza, que me receberam em suas famílias com o amor que tratam seus descendentes de sangue.

À minha sogra Simone, que, além de ter me permitido entrar em sua família, sempre me ajuda de todas formas que pode.

À minha maravilhosa esposa e amor Bárbara, que foi a responsável por todas minha conquistas, que acreditou em mim quando eu mesmo duvidava.

À todas vocês um feliz Dia Internacional da Mulher, e que o mundo continue a evoluir e conceder a vocês a importância e igualdade que merecem. Quem estaria aqui se não fosse pelo dom da vida que só vocês podem perpetuar?


Nenhum comentário:

Postar um comentário