Crônicas da saudade: O adeus à terra encantada

Aquela sexta-feira foi diferente. Anormal para alguém que raras vezes passava mal. O ar lhe faltava e a gripe anunciada aos familiares estava mais forte do que pensava, aliás, jamais havia se sentido tão combalido. Filhos e esposa estavam assustados, devido nunca terem visto fraquejar frente a nada. A dor nas costas também o incomodava. A decisão foi difícil, porém inevitável.  Levantou-se da cama, começou a se trocar, se sentiu tonto, sentou-se. 

Dona Neuza entrou em uma roupa com tanta rapidez que nem ele percebeu quando a esposa o apressou para não perder o ônibus. Saíram pelos fundos, para evitar olhares curiosos. Dona Neuza sempre foi contra dar satisfações de sua vida para o outros. Não conseguiram fazer com que seu fiel cão de estimação ficasse para trás. Na caminhada da casa até o ponto do ônibus, que era curta, porém naquele momento lhe pareceu uma eternidade, se lembrou de grandes histórias que viveu em sua terra encantada.

O Manejo era seu reduto, onde se sentia livre das atribulações da vida de assalariado nas grandes cidades. Mas, naquele pequeno calvário algo lhe ocorreu, uma súbita sensação de que não mais voltaria a sentir aquela brisa gelada das manhãs, que faziam dos verões agradáveis e dos invernos intimidadores. Dos jogos aos domingos em que torcia fervorosamente para seu filho mais velho fazer mais um gol. Da casa de sua mãe, onde religiosamente tinha de passar uma vez pela manhã e outra à noite. Dos amigos nos botequins e os jogos de sinuca, que quase sempre perdia, mas nunca desistia. De sua casa, seu cantinho do sofá, das tardes na escada do paiol com Nego a seus pés. 

De repente acordou do devaneio com o barulho do ônibus. Antes de subir deu uma última olhada à sua terra encantada, ao seu companheiro que nunca mais teria sua cabeça afagada pelo dono. Entrou, se sentou e em meio à respiração nervosa teve a sensação que jamais voltaria a ver tudo aquilo de novo. E não viu.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

De Brokeback Mountain à Coxinha: Histórias de Meu Irmão

Existe razão

Entrevista com o mendigo